ROSA
Numa manhã de primavera te vi
Despida no campo a encantar o olhar de todos.
Na tua cor o sol reluzia toda sua beleza
E assim fascinavam-se todos ali.
No andar apenas passos de encanto
Já não sabia mais a distância entre nós.
Tua beleza me cegava todos os sentidos
Enquanto todos nos olhavam com espanto.
Te toquei, te colhi ó linda Rosa
Senti teu aroma, me apaixonei por ti.
Quis estar contigo pra sempre
Mas o sempre é tempo demais para uma rosa.
Samuel Duarte
AMIGO IRMÃO, NAMORADO AMIGO
Estar ao teu lado e me sentir só,
Ser teu companheiro e teu ombro
Ser apenas teu ombro amigo, irmão;
Isso mata, destrói a alma e o desejo,
Pois ser amigo irmão é nunca chegar a ser amor
É saber que por mim olhos nunca brilharam de amor;
É saber que no teu abraço nunca vai existir desejo,
Desejo este que existe nos meus olhos,
Nos meus abraços, nos meus sentidos.
Não quero ser teu amigo irmão,
Quero ser teu namorado amigo,
Aquele que te dar o ombro por amor
E não só por amizade,
Aquele que te abraça e ao mesmo tempo em que te deseja
De traz paz, calma e alento.
Aquele que toca em tuas mãos como sinal de aliança,
Que olha nos teus olhos buscando paz e fogo,
Não sou teu amigo irmão, nunca serei;
Pois de fato quero ser teu namorado amigo.
Samuel Duarte
AMOR DE TODO AMOR
O amor de todo amor é aquele
que chora e sorrir sem motivo de fato;
é aquele que transforma a lágrima de dor
em sorrisos de alegria;
é aquele que te faz desejar uma presença,
mesmo que seja apenas pra ficarem a sós;
é aquele amor que te dar convicção,
de que com um único olhar se faz
a melodia de uma linda música.
Amor de todo amor,
é aquele que você ouvi em minhas palavras,
que você ver nos meus olhos,
e que sente na minha presença;
é aquele que te dar a certeza de nosso futuro.
Amor de todo amor,
é aquele amor sem dúvidas,
sem dívidas, apenas amor;
um sentimento de todo: amor!
Samuel Duarte
DESEJO, PAIXÃO E FOGO
Saber que o desejo que se senti é paixão
Que a presença do olhar apenas na basta;
Se faz necessário o toque, o entre mesclar,
Saber que o desejo que se senti é fogo
Que a distância sufoca o corpo mais que o espírito,
E que sem o calor do outro não existe vida.
Querer além das roupas, além do tempo,
Querer além da distância e da própria vida.
Querer, só querer não basta,
Precisa ter; sentir arder,
Precisa ser e viver a cada instante,
A cada respirar, a cada olhar;
É ter a certeza que cada encontro vai ser eterno,
Pois nem em toda eternidade cabe essa paixão.
Samuel Duarte
Estar distante de ti, é sentir-se sufocado com o próprio ar,
é não saber pra onde olhar, pois os próprios olhos não se acham,
é se sentir perdido e só em meio a uma multidão,
é saber que a distância pode ser eterna, e que assim eterno não será mais o amor. Estar distante de ti é chorar sem vergonha da lágrima, é não ter que falar belas e essenciais palavras. Estar distante de ti é morrer a cada segundo, é jogar fora uma parte da vida, é ver o nascer do sol e já querer a noite. Estar distante de ti é triste, é amargo, é ruim, pois amo a tua presença, pois amo você.
Samuel Duarte
AMAR DEMASIADAMENTE
Quem muito ama, vive sem amor;
Quem muito ama, morre sem amar;
Amar demasiadamente não trás vida
Amar demasiadamente não trás morte.
Amar demasiadamente cega e deixa insensível o coração
A ponto de se tornar duro aos demais sentimentos
Ao mesmo tempo em que senti a todos.
Amar demasiadamente cansa, entristece e mata a alma,
Faz querer parar, desistir e até esquecer,
Ao mesmo tempo em que decide insistir.
Amar demasiadamente é deixar de viver,
É deixar de sentir um único amor,
É deixar de viver um amor de novela,
É se sentir sufocado com a própria respiração.
É perder o brilho dos olhos em busca de brilho de outros.
Amar demasiadamente é deixar de viver,
É tornar-se escravo da utopia, do sonho,
Da farsa de um amor que de tão grande que é,
De fato nunca existiu.
Samuel Duarte
DECLARAÇÃO
Amar é ter a certeza que na luz dos olhos teus
Terei sempre meu farol;
É ter a certeza que na doçura de teus lábios
Terei sempre minha paz;
É ter a certeza que na suavidade da tua voz
Terei sempre meu descansar.
Teus olhos, teus lábios, tua voz;
Tua luz, tua doçura e tua suavidade;
É fácil te amar assim, é difícil negar a ti.
Tomasse posse de mim, antes mesmo que eu me entregasse;
Fizeste-me refém de meus próprios delírios
Tocou-me o coração, a alma, meu corpo.
Pois apenas com um olhar me arrebataste o coração,
Com um único beijo me tomaste,
E com uma única palavra me prendeste a ti.
Sou teu!
Samuel Duarte
UM DESEJO, UMA PAIXÃO, UMA CHAMA
Um desejo, uma paixão,
Uma chama que nunca se apaga,
Que me leva a querer estar perto
E sentir o toque que nunca foi sentido;
Que me leva a querer estar à frente
E enxergar o olhar que nunca foi visto.
Que me leva a querer fechar os olhos
E imaginar o sorriso que de tão sincero é raro.
Hoje ainda, me resta esperar o tempo, esperar o querer,
Esperar a aceitação de um futuro incerto
Que só se concretiza (por enquanto) nos meus sonhos,
Sonhos de um futuro ao lado teu,
Para que seja um futuro feliz,
Em que a união do desejo, da paixão,
E da chama que nunca se apaga
Seja chamada de amor.
Samuel Duarte
TEUS OLHOS
Teus olhos me incendeiam
E em momentos da viagem me fazem ver o infinito
Infinito, não o do mundo
Infinito de "nós dois"
Teus olhos me fazem querer esse infinito
Por eles surgem palavras no meu coração
Surgem paz nas minhas palavras
Por teus olhos surgem a loucura em mim
Loucura?! Não sei se é loucura
Mas é estranho ver um novo mundo por meio de teus olhos
Teus olhos de Índia
Teus olhos de Inglesa
Não se de quem descende teus olhos
Sei apenas que estão aqui e agora
A me olhar,
A me comover;
A me inspirar.
Samuel Duarte
ME OLHAS, ME JULGAS E ME ACUSAS
Me olhas e me acusas
De ter te roubado a paz,
De ter ocupado teus pensamentos e teus sonhos,
De ter te feito refém do próprio coração.
Me olhas e me julgas
Como causador de tua insônia,
Como uma droga que te causa dependência,
Como o motivo da tua distância do presente.
Me olhas, me acusas e me julgas
Sem me dar a chance da defesa;
Me acusas sem saber que quero ser tua paz,
Me acusas sem saber que tu és meus sonhos,
Me acusas sem saber que sou refém do teu coração.
Me olhas, me acusas e me julgas
Sem me dar a chance da defesa;
Me julgas sem saber que és todas as minhas noites,
Me julgas sem saber que sou dependente de ti,
Me julgas sem saber que quero ser teu presente.
Somos julgados por nos amarmos silenciosamente.
Samuel Duarte