Fotografia
Atento ao olhar de luminosidade
Esquadrinha a geometria de um flagrante
Magnífica captura de um insight
Doce acalanto da imortalidade evidente.
Uma imagem em clara objetiva
Reflete cores, luz, harmonia e sensibilidade.
Dá o tom de alegria em simetria
Misturando lembranças à doce saudade.
Testemunha de muitos olhares
Observa a intimidade ilusória
Sentimento original, real e evidente.
Consagração da ficção das memórias.
Retrata escritos, sons e imagens
Esplendor e a dádiva da natureza.
Compõe a cena em um clique pleno
Essências de emoções e de muita beleza.
Num instante torna-se a preferida
No seu feitio, a mais doce poesia
De tornar real uma evidência
Fotografia, o seu nome é Magia.
Isa Colli
Como é bom ser bem tratado, ter carinho e atenção! Como é bom ter alguém por perto para estender a mão na hora de um aperto? Quem não se sente bem diante de um sorriso verdadeiro? Quem não gosta de ver seu nome pronunciado com carinho? Atitudes de afeto, respeito e atenção fazem toda a diferença. E as pessoas que agem com gentileza, com respeito e consideração, são sempre muito admiradas.
Recentemente, estava no metrô lotado em direção a minha casa, com um envelope e um livro nas mãos. Depois de alguns minutos um senhor me olhou e, gentilmente, pediu que seu filho, que estava sentado, se levantasse para me ceder o lugar. Devolvi-lhe a gentileza, dizendo que agradecia pelo seu gesto, mas preferia ver o menino sentado. Ele me olhou frustrado porque eu não aceitei sua gentileza, mas ao descer do metrô, coloquei minhas mãos nos ombros dele e lhe disse: “O senhor é muito de gentil, ainda bem que existem pessoas assim. Obrigado por me oferecer o assento”. Ele sorriu e disse: “a senhora também”. Muito embora eu não tenha sentado, devolvi-lhe a gentileza, ressaltando seu gesto gentil.
A gentileza não só nos deixa mais felizes como também nos ajuda a viver mais. Muito do que torna a vida mais difícil – uma panela queimada, uma porta que alguém não segurou quando você passou, um motorista de ônibus que, antes mesmo de você conseguir se sentir segura dentro ônibus, arranca sem considerar que você pode cair, a caixa do supermercado sempre mal humorada - se deve à falta de consideração que temos pelo outro. Certamente que o mundo seria bem melhor se todos fossem um pouquinho mais gentis. No supermercado, você deixa alguém apressado entrar na sua frente na fila do caixa? No ônibus lotado, você se levanta para dar lugar a quem parece cansado, mesmo que este, não tenha direito prioritário?
Ser gentil é um atributo muito mais sofisticado e profundo do que ser educado ou meramente cumprir regras de etiqueta, porque embora possamos (e devamos) ser educados, a gentileza trata de uma característica diretamente relacionada com caráter, valores e ética; sobretudo, tem a ver com o desejo de contribuir com um mundo mais humano e eficiente para todos.
Para se tornar uma pessoa gentil, é preciso refletir sobre o modo como tem se relacionado consigo mesmo, com as pessoas e com o mundo. Ser gentil não pode depender do outro, não pode ser uma moeda de troca, tem que ser uma escolha pessoal, um entendimento de que podemos fazer a nossa parte e contribuir sim para um mundo melhor.
Isa Colli
Escritor Solitário
No cair da noite, o sussurro abafado paralisa a voz enfraquecida, e vão surgindo as primeiras palavras rabiscadas em um papel qualquer, que esvaziam da mente os pensamentos turbados e abranda a dor do coração ferido.
O papel e a caneta tornam-se amigos fieis das longas horas de solidão e vazio, onde por companhia, só se têm um travesseiro macio e salobras gotas quentes de lágrimas inocentes.
O tempo passa, e com ele se vão o encanto e a magia de um sonho fascinante, eternizando a força robusta do desejo frustrado.
As promessas de amor eterno são como nuvens escuras durante as tempestades fortes, que vem rapidamente, para tão logo partirem para sempre.
O vento forte sopra lá fora, uivando como uma música triste a embalar a melancolia do escritor, que mesmo não a vendo, escuta o som de sua voz o consolando no seu desafeto.
Toda a sua tristeza desaba nas vogais e consoantes como um furacão, que na formação das palavras, o transporta à um lugar seguro e feliz do mundo do faz de conta.
Amortiça a dor com a alegria das suas frases, que no momento tornaram-se o seu único e mais precioso tesouro.
E por companhia, só raça e a profunda solidão, que nos braços da saudade, e na melodia de fundo, reflete em seus versos poéticos, coragem e ousadia.
Nasce o sol, esconde a lua, inicia mais um dia, na aflição desse escritor, que para esquecer a sua dor, mistura música e cor, e na ternura de sua pena, a sua alma pequena, se cura com outro amor.
Isa Colli
Morreu!
Grita de dor a mãe sofrida
Com o filho inerte em seus braços.
Deus! Por que isso foi acontecer?
Por que deixou o meu filhinho morrer?
A mulher sofre
Amargurada.
No rosto, externa
Uma expressão de horror.
O coração sangra
Transpassado...
— E agora?
Pergunta a mulher consternada.
— Vou seguir o meu menino!
— Filho, para onde foi você?
— Espera por esta que te gerou?
— Senhor, eu mereço tanto sofrer?
— Por quê?
Agita as mãos ao redor do corpo
Rasga as roupas e desnuda o rosto.
Desolada, abraça o corpo.
A miséria impera o seu interior
Desfalece a sua alma.
Finito...
Sonho acabado.
Filhinho...
A minha vida
Torna-se agora um rabisco
Sem traçado
Sem cor
Apenas um chuvisco.
Eterna será a sua ausência.
Sentirei sempre a sua presença
Até o dia
Que Deus me chamar
E, a ti
Eternamente for me juntar...
Isa Colli
Algumas pessoas dizem que te amam, mas só te procuram quando tem algum interesse. E quem faz isso não te merece.
O amor verdadeiro é uma mistura de sentimentos e atitudes, portanto, se sou amada, quanto mais amada, mais correspondo. Se sou esquecida, também devo esquecer, pois amor é um reflexo no espelho.
Uma pessoa interesseira, geralmente é egoísta e ama fazer chantagem emocional para alcançar o objeto do seu desejo. Por este motivo, devemos ficar muito atentos e abrir bem os olhos, pois o amor não busca os próprios interesses.
Amor é expressão máxima de carinho e cuidado.
Isa Colli
Depois de um grande problema resta-nos duas opções: a primeira, recomeçar, a segunda se entregar e viver dos cacarecos, das sobras, remoendo feridas e sentindo pena de si.
Muitas vezes somos pegos por uma série de infortúnios que costumam vir em combos. Perdas financeiras, separações, doenças graves e a morte. São nessas horas que a fé se esconde de nós, dando lugar a revolta, ao desânimo e a depressão. Como reagir diante da tristeza que consome a alma. Como arrumar a bagunça e a ruina deixada pela destruição emocional?
Para se reerguer de um grande abalo, é preciso avaliar a própria vida e focar em um novo objetivo. Aproveitar a insônia durante esse período para desenvolver ideias novas, olhar o mundo sob outro ângulo. E trabalhar, trabalhar muito também.
A revolta, a raiva e até mesmo o ódio, devem ser canalizados para uma mudança de vida. Sentimentos ruins podem ser combustíveis potentes para reverter situações trágicas. Eles se prolongam por um tempo, mas direcionados para coisas positivas, como trabalhar e manter a mente ocupada, organizar sentimentos e deixar lembranças dolorosas de lado, é o primeiro passo para o processo de recuperação.
Sobreviventes de grandes tragédias e infortúnios, quando decidem recomeçar, na maioria das vezes realizam coisas que a maioria das pessoas não conseguiriam, viram exemplos de superação, grandes empresários, inventores, escritores e até mesmo líderes religiosos, pois se tornam exemplos de força e fé.
Com toda a experiência acumulada, a reconstrução acontece de forma segura. Após grandes perdas é comum o homem desenvolver a capacidade de tornar-se humano, mais forte e cauteloso. Procurar bases sólidas e solos mais férteis.
O mundo é cheio de infinitas possibilidades. Podemos encontrar novos amores, novas alegrias, novas motivações ou a morte. A força existencial e individual é que vai definir o futuro de cada um. A vida sempre nos apresentará um caminho, uma escolha. Somos donos do nosso destino.
Viver não é e nem nunca foi tarefa fácil, precisamos ser guerreiros nesse mundo. Somos seres complexos e cheios de sentimentos primitivos de apego a matéria e aos que nos cercam. Mas aos poucos, estamos despertando para a compreensão de que somos eternos, que não perdemos nossa vida nunca, apenas evoluímos para um estado melhor.
Isa Colli