Relacionamentos
É lindo quando dá certo por 20, 30, 60 anos, mas é lindo também quando dá certo por um ano, alguns meses ou alguns dias. A vida é feita para ser vivida da melhor forma possível, se deu certo, ótimo! Se não deu paciência e resiliência são necessárias porque recomeçar também é lindo, se redescobrir, levantar a cabeça, o seguir em frente é lindo, difícil, mas gratificante se fizermos da melhor forma possível. Pra você ser você é preciso se amar mais, se importar mais consigo mesmo sem ter o peso da opinião alheia, ninguém viveu suas alegrias nem suas angústias, ninguém trilhou o seu caminho junto com você, sentiu as dores que você sentiu, então absolutamente ninguém pode lhe ditar o que você deve ou não fazer, você é dona de si, nenhum homem no mundo pode dizer que você não presta pra nada porque quem sabe do seu valor é você mesma e que valor você tem, quantas coisas boas fizeste na vida, coisa ruins também porque ninguém é santo mas quantas voltas por cima você já deu? Quantos primeiros passos? Quantos passos para trás quando na verdade era hora de andar para a frente? Quanto tempo perdido e quanto ainda a ser conquistado? Você pode muito mais do que pensa.
Mel
"eu queria rimar cor,
pra te falar do meu amor,
escrever palavras em teu louvor,
ser encantada como um beija-flor,
para chegar mais perto e sentir seu calor,
gostaria de sentir o trabalho de seu escultor,
correr os dedos e saber de cor este entalhe perfeito,
sentir a cada nova descoberta um leve tremor na mão,
mas hoje não encontrei em você sua cor,
mas meus olhos se encantam com seu fulgor,
e sem absolutamente nenhuma dor,
aceitei hoje, em mim, esta sua falta de cor."
by Mel
Mel
pra que nos serve sentir saudade?
para responder senti saudade?
ter saudade da saudade?
o que é sentir saudade?
saudade tem avesso?
saudade é síntese?
na saudade tudo falta?
ou o que falta é a saudade?
sua saudade é ou não em fatias?
para matar a saudade se mata toda?
ou passivamente se mata aos pedaços?
desperte a homicida ou suicida que há em você: mate minha saudade ou a sua!
(*): corruptela de “não é?”
Juro que tentei não escrever "Aff" aqui, mas não deu:
tenho duvidas...
isso tudo aqui, foi sinalizador que o reforço não vai ser apresentado?
ou o que foi?
Mel
Clarice Lispector faz isso com as pessoas,
principalmente com as mulheres,
plageia nossa vida de tal forma,
mesmo antes que tenhamos vida,
que nos parece que cada frase,
cada estrofe, foi feita para nós,
encaixa em nossa vida,
tal qual um par de luvas,
sob medida.
Creio que ela falou por quase todas nós,
para nos poupar tempo,
para podermos fazer outras coisas,
pois que o dela ela dividiu entre o pensar,
apenas dela, e o nosso próprio pensar.
by Mel
Mel
Eu não consigo responder,
o que sinto por você,
mas o que eu sinto com você.
Com você é bom escutar musica,
é bom sentir seu silencio e te imaginar a pensar,
É muito bom poder escrever para você,
tentar imaginar o que você vai sentir,
o como poderá reagir.
Gosto de te olhar enquanto lhe escrevo,
parece que vejo teus olhos brilhando a acompanhar,
de minhas mãos os movimentos,
misturando palavras pra lhe agradar.
O encanto é de como fui recebida,
com sua atenção e carinho,
que me prende e me faz retornar,
aqui para poder lhe tentar.
Meu prêmio sua resposta contida,
que me permite imaginar mil sonhos,
quanto mil nadas, e de pronto
me faz reagir, criando mais um escrito.
Gosto da forma delicada com que me conduz,
e dentro de teus parâmetros,
na tua trilha, em tua estrada, nos teus caminhos,
reagir a você e ser regida por você.
Amar você eu preciso, conquistar já não preciso.
by Mel
Mel
Analogie du verbe
Quando a relação do verbo, esgarça,
do casal abriram-se as núpcias,
apartam-se impotentes fios do enlace,
pelo par, outro verbo é desfiado.
Divididos feridos ainda não rompidos,
fragmentam-se frágeis sentimentos,
desfazem-se as amantes esperanças,
qual doentes terminais no enlace.
Antes no concatenado relacionamento,
afeto afeição amor entusiasmo e alma,
hoje do fruto já(z) rompeu-se a casca,
ao chão pesar tristeza desgosto mágoa.
Melina Coury
http://souriresetlarmes.blog.fr/
Mel
Se eu contar ninguém acredita
Quando meu vestido era de chita:
Já pulei amarelinha
Na igreja era cruzadinha
De pular corda eu brinquei
De charrete eu andei
Tomei banho no açude
Joguei muita bolinha de gude
Com canudo de mamão
Fiz mil bolhas de sabão
Levei sova de meu pai
Sem poder dizer um “ai”
Fui na escola sem comer nada
Minha mãe estava acamada
Cabulei aula de manha
Dor de barriga era a façanha
Os terços na vizinhança
Não os perdi junto às crianças
Corri do touro malhado
Depois de tê-lo atiçado
Cantei com mamãe na varanda
Seu nome estranho era Irlanda
Coloquei vaga-lume no vidro
Era muito divertido
Dormi na tulha que delícia
Com os meninos não havia malícia
Hoje tudo está mudado
Porém as lembranças deste passado
Não tem borracha que apague
Serão sempre uma doce saudade...
Mel