Céu Estrelados
Atravessava-se o universo como vespas luminosas e se contorciam entre linhas abstratas e igualmente luminosas. E eu abaixo das montanhas a admirar todo aquele resplendor celeste. Que só não era mais bonito que os olhos dela. Então me lembrei da tua inesquecível e sublime existência. Minha amada musa Carol, Carolina.
E no amor por ela me movo e no amor por ela escrevo todo meu amor e desejo. Pela rosa que se faz ser a mais sublime e formosa.
Em cada pétala dessa flor só restava-me a suspirar de amor.
E o sentimento de amor se fortalecia aquecendo-se no interior de minha alma e eu simplesmente esquecia das estrelas ao ver nelas o brilho dos olhos dela. E de novo e como sempre os sentimentos se fortaleciam como uma corrente de aço atravessando o espaço, revestida do fogo flamejante da minha, Kundalini. Um fogo sublime e intenso que por tua pura alma e pelo teu doce corpo eu sentia, num fogo eterno, eternamente eterno.
E me via a mergulhar em um lago luminoso e quente da minha própria alma.
Era então eternamente bom lembra-la. As montanhas me cercavam e as estrelas testemunhavam juntas com a lua a me iluminar, todo o meu amor que por minha musa retenho no fundo do meu coração selvagem, nas profundezas da minha alma solitária.
No coração desse leão das montanhas um amor místico guardo. Tiago Amaral