Minha sede por liberdade era a eterna sede da minha alma. Um a sede cujo ao olhar para o fundo simplesmente não se podia ver o fim. A não ser a beleza rara do infinito. Belo e tão bonito. Cuja toda beleza dele não havia fim. Tiago Amaral