" Viver não é seguro.
Viver não é fácil.
E não pode ser monótono.
Mesmo fazendo escolhas aparentemente definitivas,
ainda assim podemos excursionar por dentro de nós
mesmos e descobrir lugares desabitados em que nunca
colocamos os pés, nem mesmo em imaginação.
E estando lá, rever nossas escolhas e recalcular a duração
de "pra sempre" . Muitas vezes o "pra sempre" não dura
tanto quanto nossa teimosia e receio de mudar"
Crônica: Felizes para sempre - Livro: Montanha Russa Martha Medeiros