"Eu...
Quem na verdade, seria eu?
Não sei... Só sei o que devo saber
Que estou vivo e que devo aprender.
Aprender como um professor,
Ensinar como um aprendiz.
Eis que a humildade vêm
E assim minha vida se mostra feliz.
Penso sobre mim e nada...
Como posso ser aquilo que não se acha?
O incalculável, o invisível, quisera eu ser o descobridor.
Vivo, por somente viver? Não! Vivo para ser o achador.
Nessa jornada eu embarquei,
Para encontrar meu amor.
Pois se encontrar alguém a dizer que me amou,
Esta deveras sabe quem sou.
Tento, portanto, descobrir quem sou eu
Por meio de um sentimento poderoso.
Seria este pensamento, um tanto enganoso?
Não importa... Vivo com um objetivo.
A cada dia um novo dia, um novo amanhecer.
E se um dia alguém dizer quem eu sou,
Concluirei então, que esta pessoa me amou". Desconhecido