Poema de 1986 - GRITO!!!
Às vezes, apetece-me gritar ao espaço
um grito livre de todas as peias,
distante de todos os medos
e vazio de todas as angústias.
Um grito terrível, animal
e sem significado.
Um daqueles gritos
em que a alma se rasga ...
Um grito selvagem e livre
como só um grito pode ser...
E no silêncio seguinte,
reconstruir as manhãs de sol
e os cheiros das coisas...
Tornar obrigatórios
os sabores pálidos das frutas raras,
e os perfumes das flores nocturnas...
E descobrir em todos os dias seguintes
um amanhã diferente do meu amanhã de sempre...
( como se fosse o último grito,
o último amanhã,
ou a última vez ! ) Desconhecido